Arquivos de Pesquisa Materna e Infantil

p>Idioma: Inglês
Bibliografia: 10
Páginas: 48-51
Arquivo PDF: 84,25 Kb.

br>>>br>>>>p>SUMÁRIO

Sporotricose é uma micose subcutânea pouco frequente na população pediátrica, resultante da inoculação e penetração do molde do complexo Sporothrix schenckii através de pequenas feridas na pele de solo, folhagem, madeira, palha ou detritos vegetais contaminados e por vezes de arranhões ou mordeduras de animais. Dependendo da quantidade de inóculo e do estatuto imunitário do hospedeiro, é classificado em: esporotricose tegumentar fixa, esporotricose cutânea e esporotricose disseminada. O diagnóstico da doença baseia-se no aspecto morfológico das suas lesões, apoiado por exame directo e cultura, estudo histopatológico e/ou teste intradérmico com polissacáridos purificados obtidos a partir da fase micelial do fungo (teste Gonzalez-Ochoa). O tratamento de escolha é o iodeto de potássio oral a uma taxa de um a três g, dividido em três doses. Os imidazólicos sistémicos e a terbinafina durante três a cinco meses são também úteis. São relatados dois casos de infância, enfatizando o reconhecimento clínico das lesões tegumentares e as opções terapêuticas disponíveis, entidades raras na nossa prática clínica diária.
<

<

REFERÊNCIAS (NESTE ARTIGO)

  1. Garcia VA, Mayorga J, Soto OA, Barba JF. Sporotricose em crianças. Um estudo de 133 casos no Instituto Dermatológico de Jalisco “Dr José Barba Rubio”, Med Cutan Iber Lat Am 2008; 36: 18-22.

    <

  2. Padilla MC, Medina-Castillo DE, Cortés-Lozano N. Sporotrichosis in pediatric age: experience of the Pascua Dermatologic Center, Piel 2004; 19(7): 359-363.

    <

  3. Bonifaz A, Saul A, Paredes-Solís V, Fierro L et al. Sporotrichosis in childhood. Experiência clínica e terapêutica em 25 pacientes, Pediatr Dermatol 2007; 24: 369-372.

    <

  4. De Araujo T, Marques AC, Kerdel F. Sporotrichosis, Int J Dermatol 2001; 40: 737-742.

    <

  5. Howe WR, Wisco OJ, Sartori C. Sporotrichosis Fixed cutaneous sporotrichosis in an adolescent boy: A case report, Cutis 2006; 78(5): 337-340.

  6. Kwon KS, Yim CS, Jang HS et al. Verrucous sporotrichosis in an infant treated with itraconazole, J Am Acad Dermatol 1998; 38: 112-114.

  7. Pappas PG, Tellez I, Deep A et al. Sporotrichosis in Peru: descrição de uma área de hiperendemia, Clin Infec Dis 2000; 30: 65-70.

    <

  8. da Rosa AC, Scroferneker ML, Vettorato R et al. Epidemiologia da esporotricose. Um estudo de 304 casos no Brasil, J Am Acad Dermatol, 2005; 52: 451-459.

    <

  9. Morris-Jones R. Sporotrichosis, Clin Exp Dermatol 2002; 27: 427-431.

  10. Welsh O, Schmid-Grendelmeier P, Stingl P et al. Tropical dermatology. Parte II, J Am Acad Dermatol 2002; 46: 748-763.

br>

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *