Articles of Interest&nbsp&nbsp (Português)

Matthew 4

Vv. 1-11.Com referência à tentação de Cristo, observar que Ele foi tentado imediatamente após ter sido declarado Filho de Deus e Salvador do mundo; grandes privilégios e sinais especiais de favor divino não asseguram a ninguém que Ele não será tentado. Mas se o Espírito Santo der testemunho de que fomos adoptados como filhos de Deus, ele responderá a todas as sugestões do espírito maligno. Cristo foi trazido para o combate. Se mostrarmos a nossa própria força, e desafiarmos o diabo a tentar-nos, provocamos Deus a deixar-nos entregues a nós próprios. Outros são tentados, quando são desviados pela sua própria luxúria, e são seduzidos, James i, 14; mas nosso Senhor Jesus não tinha natureza corrupta, por isso Ele foi tentado apenas pelo diabo. É manifesto na tentação de Cristo que o nosso inimigo é subtil, malicioso, e muito ousado, mas a ele se pode resistir. É um conforto para nós que Cristo tenha sido tentado, pois assim é manifesto que as nossas tentações, desde que não nos rendamos a elas, não são pecado e são apenas aflições. Em todas as Suas tentações Satanás atacava para que Cristo pudesse pecar contra Deus. 1. tentou-o a desesperar da bondade do seu Pai, e a desconfiar dos cuidados do seu Pai. Uma das artimanhas de Satanás é tirar partido do nosso estado exterior; e aqueles que são colocados em estreitos devem redobrar a sua guarda. Cristo respondeu a todas as tentações de Satanás com “Está escrito” para nos dar o exemplo, apelando ao que está escrito na Bíblia. Devemos adoptar este método sempre que nos sentimos tentados a pecar. Aprendamos a não seguir direcções erradas na nossa provisão, quando as nossas necessidades são sempre tão prementes: o Senhor proverá de uma forma ou de outra. Satanás tentou Cristo a vangloriar-se do poder e protecção do seu Pai em matéria de segurança. Não há extremos mais perigosos do que o desespero e a presunção, especialmente no que diz respeito aos assuntos da nossa alma. Satanás não se opõe aos lugares sagrados como cena dos seus ataques. Não baixemos a nossa guarda em lado nenhum. A cidade santa é o lugar onde, com a maior vantagem, ele tenta os homens para o orgulho e a presunção. Todos os lugares altos são lugares escorregadios; o avanço no mundo faz do homem um alvo para Satanás atirar os seus dardos ardentes. Será Satanás tão bem versado nas Escrituras que é capaz de os citar facilmente? Sim, ele está. É possível que um homem tenha a cabeça cheia de noções bíblicas e a boca cheia de expressões bíblicas enquanto o seu coração está cheio de inimizade contra Deus e contra toda a bondade. Satanás citou mal as palavras. Se sairmos do nosso caminho, do caminho do nosso dever, abandonamos a promessa e colocamo-nos fora da protecção de Deus. Esta passagem, Deuteronómio viii, 3, feita contra o tentador, por isso ele omitiu uma parte. Esta promessa é firme e permanece bem. Mas será que devemos continuar em pecado para que a graça possa abundar? Nº 3. Satanás tentou Cristo à idolatria com a oferta dos reinos do mundo e a glória dos mesmos. A glória do mundo é a tentação mais encantadora para os impensados e inconscientes; é a que mais facilmente vence os homens. Cristo foi tentado a adorar Satanás. Ele rejeitou a proposta com repulsa. “Algumas tentações são abertamente más – e não devem ser meramente combatidas, mas rejeitadas de imediato. É bom ser rápido e firme para resistir à tentação. Se resistirmos ao diabo, ele fugirá de nós. Mas a alma deliberada está quase derrotada. Encontramos poucos que podem recusar resolutamente tais iscos como Satanás oferece, embora o que beneficia um homem se ele ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? -Cristo foi bem sucedido após a tentação para O estimular a continuar no Seu esforço, e para nos estimular a confiar Nele, porque Ele sabia, por experiência, o que é sofrer sendo tentado, para que Ele soubesse o que é ser bem sucedido na tentação; por isso podemos esperar não só que Ele sinta pelo Seu povo tentado, mas que Ele venha com o auxílio oportuno.

p>v. 12-17.É justo que Deus tire o evangelho e os meios de graça daqueles que o desprezam e os expulse de Si mesmo. Cristo não ficará muito tempo onde Ele não é bem-vindo. Aqueles que estão sem Cristo estão na escuridão. Estão estabelecidos nessa condição, uma postura contente; escolhem-na em vez da luz; são deliberadamente ignorantes. Quando chega o evangelho, vem a luz; quando chega a qualquer lugar, quando chega a uma alma, lá se torna dia. A luz revela e dirige; o evangelho também o faz. A doutrina do arrependimento é uma boa doutrina evangélica. Não só o austero João Baptista, mas o gracioso Jesus pregou o arrependimento. Há ainda a mesma razão para o fazer. Não foi totalmente reconhecido que o reino dos céus tinha vindo até à vinda do Espírito Santo depois da ascensão de Cristo.br>>p>p>Vv. 18-22.Quando Cristo começou a pregar, começou a reunir discípulos que deviam ser ouvintes, e depois pregadores, da sua doutrina, que deviam ser testemunhas dos seus milagres, e depois testemunhar sobre eles. Ele não foi à corte de Herodes, nem foi a Jerusalém para os principais sacerdotes e anciãos, mas para o Mar da Galileia, para os pescadores. O mesmo poder que chamou Pedro e André poderia ter trazido Anás e Caifás, pois nada é impossível com Deus. Mas Cristo escolhe os tolos do mundo para confundir os sábios. A diligência é uma chamada honesta para agradar a Cristo, e não é um impedimento para uma vida santa. As pessoas ociosas estão mais abertas às tentações de Satanás do que aos chamados de Deus. É uma coisa feliz e esperançosa ver as crianças a cuidar dos seus pais e a cumprir o seu dever. Quando Cristo vem é bom ser encontrado fazendo-o. Estarei eu em Cristo? É uma pergunta muito necessária e, depois disso, estou eu na minha vocação? -Tinham anteriormente seguido Cristo como discípulos comuns, João i, 37; agora devem abandonar o seu cargo. Aqueles que seguem bem Cristo devem, ao Seu comando, deixar tudo para O seguir, devem estar dispostos a separar-se deles. Este exemplo do poder do Senhor Jesus exorta-nos a depender da Sua graça. Ele fala e é feito.br>

v. 23-25.Onde quer que Cristo tenha ido Ele confirmou a Sua missão divina por milagres, que eram emblemáticos do poder curativo da Sua doutrina e do poder do Espírito que a acompanhava. Agora não encontramos no nosso corpo o poder curativo milagroso do Salvador, mas se formos curados pelo remédio, o louvor é igualmente Seu. Três palavras gerais são aqui utilizadas. Curou todas as doenças ou enfermidades; nenhuma era demasiado má, nenhuma demasiado terrível, para que Cristo não curasse com uma palavra. Três doenças são denominadas parálise, que é a fraqueza suprema do corpo; insanidade, que é a maior doença da mente; e possessão demoníaca, que é a maior desgraça e calamidade de todas; mas Cristo curou tudo, e assim curando as doenças do corpo Ele mostrou que a sua grande missão para o mundo era curar os males espirituais. O pecado é doença, doença, e tormento da alma: Cristo veio para tirar o pecado, e assim curar a alma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *