Estudo piloto: Avaliação de potenciais interacções medicamentosas em pacientes pediátricos hospitalizados

Objectivo: Avaliar o tipo e gravidade de potenciais interacções medicamentosas e identificar os factores de risco envolvidos, em pacientes pediátricos internados num ambiente hospitalar.

Métodos: Foi realizado um estudo analítico retrospectivo transversal com pacientes pediátricos hospitalizados de um Hospital no Oeste do México, segundo e terceiro níveis. Os pacientes incluídos foram ≤18 anos de idade hospitalizados nas enfermarias de crianças; não foram incluídos os admitidos nas urgências, unidades neonatais intermédias e de terapia intensiva. As prescrições médicas foram revistas tendo em consideração as características antropométricas, o diagnóstico e o número de fármacos prescritos para identificar potenciais interacções medicamentosas utilizando a base de dados Micromedex 2.0.

Resultados: 88 pacientes foram incluídos, uma média de 4,6 ± 2,8 de fármacos foram prescritos por paciente. 37 sujeitos (42%) apresentaram algum grau de potenciais interacções medicamentosas, das quais 25,5% foram maiores e 27,7% moderadas, de acordo com o software. Os factores de risco identificados foram: idade ≥ 4 anos (OR 1,917; 95% CI 1,081-3,399), BSA ≥ 0,8m2(OR 1,825; 95% CI 1,021-3,263), altura ≥ 1 m (OR 2,556;95% CI 1,322 – 4,941), e número de medicamentos prescritos ≥ 4 (OR 2,106;95% CI 1,248 – 3,556).

Conclusão: Algumas das interacções encontradas foram em benefício do paciente, mas outras foram consideradas indesejáveis porque alteraram a farmacocinética de alguns dos medicamentos administrados. Detectar a tempo as interacções prejudiciais para um paciente pode favorecer a sua segurança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *