Isto é como era o solo de uma rapariga de 14 anos à volta do mundo na regata

Deve uma rapariga de 13 anos de idade velejar uma regata a solo à volta do mundo? Há cinco anos atrás, esta questão ressoou durante meses nos meios de comunicação social em metade do mundo. Embora outros marinheiros precoces tivessem anteriormente ido para o mar para circunavegar o planeta, o caso de Laura Dekker (Nova Zelândia, 1995) foi o mais controverso devido à idade da jovem e aos esforços do sistema judicial holandês para impedir a viagem. Muito se tem escrito desde então sobre o pequeno marinheiro. Agora é altura de ver como foi essa viagem.

Dekker não se esqueceu de colocar na sua mala de viagem uma câmara de vídeo com a qual estava a contar as suas experiências. Estas imagens, juntamente com as gravadas pela realizadora estreante Jillian Schlesinger durante algumas das paragens feitas pelo marinheiro, compõem o documentário ‘Maidentrip’ que está actualmente a ser exibido em vários festivais de cinema nos Estados Unidos.

É a história de uma rapariga que nasceu no barco dos seus pais quando este foi atracado na Nova Zelândia. Ela passou os seus primeiros anos no convés daquele navio à vela, navegando de porto em porto. E era isso que a pequena Laura queria fazer novamente desde os seus oito anos de idade. Mas ela queria fazê-lo na mais estrita solidão.

Aos 13 anos de idade, anunciou a sua intenção de navegar a solo à volta do mundo. Um tribunal de Utrecht logo impediu a jovem de partir na sua viagem e até lhe retirou momentaneamente a custódia de Laura do seu pai, com quem vivia desde o divórcio dos pais, citando a sua falta de experiência e a obrigação de frequentar a escola.

Seguiu-se um longo processo judicial, com os tribunais a obrigarem Dekker a provar as suas capacidades de navegação, a trocar barcos por outros maiores e mais seguros (ela acabou por navegar pelos mares com o seu Guppy, uma Jeanneau Gin Fizz ketch de 11,5 metros) e a manter-se em contacto constante com a escola. A mulher holandesa superou todos os obstáculos e foi finalmente capaz de completar o controverso desafio. Mas mesmo uma vez iniciada a viagem, os tribunais puseram em risco o desafio de provar a sua falta de emprego.

Finalmente, a 21 de Agosto de 2010, Laura Dekker, já com 14 anos, navegou de Gibraltar para as Ilhas Canárias, onde permaneceu várias semanas para se esquivar à época dos furacões. Depois navegou para Cabo Verde, através do Atlântico para a ilha de St. Martin, Caraíbas e Canal do Panamá para as Ilhas Galápagos. Tonga, Fiji, Bora Bora, Austrália, África do Sul e novamente St. Maarten formaram o seu itinerário. Levou 518 dias para completar uma viagem contra o relógio, fazendo várias paragens para descansar, reparar danos no navio e absorver outras culturas.

Após a sua aventura, Dekker regressou à sua Nova Zelândia natal, onde trabalha na indústria de iates, está a estudar para um curso de capitão e palestras sobre a sua experiência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *