Journal of Pharmacy & Pharmacognosy Research (Português)

h6>J Pharm Pharm Pharmacogn Res 4(2): 49-53, 2016.

Artigo Original |Artigo Original

Determinação da solubilidade da mangiferina em solventes usados na indústria biofarmacêutica

Jhoany Acosta1, Iliana Sevilla1*, Suslebys Salomón2, Lauro Nuevas3, Aylema Romero2, Daniel Amaro4

div>1Centro de Engenharia de Processos (CIPRO). Faculdade de Engenharia Química. José A. Echeverría Instituto Superior Politécnico. Calle 114 No. 11901 e/ 119 y 127. Marianao. Havana. Cuba.

2Centro de Investigação e Desenvolvimento de Medicamentos (CIDEM), 26 e 51, Plaza, La Habana, Cuba.
3Centro Nacional de Genética Médica. Ave, 31 e 146, Playa, Havana, Cuba.

div>4Centro de Imunologia Molecular (CIM). Calle 17 y 216. Playa, La Habana, Cuba.

Abstract

Contexto: Foram relatadas propriedades farmacológicas e estudos de métodos de extracção de mangiferina, mas não existem estudos relacionados com a solubilidade da mangiferina nos solventes utilizados na indústria farmacêutica.

Aims: Estudo da solubilidade da mangiferina em diferentes solventes utilizados na indústria farmacêutica.

Métodos: A mangiferina utilizada teve uma pureza de 97,3% determinada por Cromatografia Líquida de Alto Desempenho (HPLC), e foram feitas medições de solubilidade em etanol, metanol, água, acetona, éter dietílico e hexano a 5, 15, 30, 40, 50 e 600C de temperatura. As concentrações de mangiferina foram determinadas por espectrometria ultravioleta a 254 nm. Os dados de solubilidade experimental foram correlacionados com a equação de Van’t Hoff e o calor de dissolução determinado.

Resultados: A solubilidade da mangiferina em solventes puros diminui com o aumento da temperatura e na ordem seguinte: etanol>metanol>água>éter dietético>acetona>n hexano.

Conclusões: Este resultado indicou que a mangiferina é ligeiramente solúvel em etanol, moderadamente solúvel em metanol e água e praticamente insolúvel em éter dietílico, acetona, e n-hexano.

Keywords: Mangiferin; solubilidade; equação de Van’t Hoff.

Resumen

Contexto: Los métodos de extracción de la mangiferina y sus propiedades farmacológicas han sido ampliamente estudiados, pero no aparece reportado ningún estudio de solubilidad de la mangiferina en los solventes usados comúnmente en la industria farmacéutica.

Objetivos: Para determinar a solubilidade da mangiferina em diferentes solventes utilizados na indústria farmacêutica.

Métodos: foi utilizada 97,3% de mangiferina pura determinada por Cromatografia Líquida de Alto Rendimento (HPLC). Os solventes utilizados foram água, etanol, metanol, éter etílico, acetona e n-hexano e as medições foram efectuadas às temperaturas de 5, 15, 30, 40, 50 e 60°C. As concentrações de mangiferina em cada solvente foram determinadas por espectroscopia UV-Vis a 254 nm. Os dados de solubilidade foram correlacionados usando a equação de Van’t Hoff para determinar os aquecedores de dissolução.

Resultados: A solubilidade da mangiferina em solventes puros decresce com o aumento da temperatura na ordem: etanol>metanol>água>éter>éter>>acetona>n hexano.

Conclusões: A mangiferina era moderadamente solúvel em etanol, ligeiramente solúvel em metanol e água e praticamente insolúvel em éter etílico, acetona e n-hexano.

Key Words: Equação Van’t Hoff; mangiferin; solubilidade.

p>Download o ficheiro PDF .

Formato de citação: Jhoany Acosta, Iliana Sevilla, Suslebys Salomón, Lauro Nuevas, Aylema Romero, Daniel Amaro (2016) Determinação da solubilidade da mangiferina em solventes utilizados na indústria biofarmacêutica. J Pharm Pharmacogn Res 4(2): 49-53.
 Este artigo foi citado por:
Didelot Tomani JC, Tchouate Gainkam LO, Nshutiyayesu S, Mukazayire MJ, Oliveira Ribeiro S, Stevigny C, Frederich M, Muganga R, Souopgui J (2018) Um estudo etnobotânico e efeitos inibidores sobre inflammasomas/caspase-1 do NLRP3 de extractos de receitas de ervas tradicionalmente utilizados no Ruanda para o tratamento da asma. Journal of Ethnopharmacology. DOI: 10.1016/j.jep.2018.08.016
Rajneet Kaur Khurana, Ranjot Kaur, Manninder Kaur, Rajpreet Kaur, Jasleen Kaur, Harpreet Kaur, Bhupinder Singh (2017) Exploração e validação das propriedades físico-químicas da mangiferina através do software GastroPlus®. Future Science OA 3(1): FSO167. doi: 10.4155/fsoa-2016-0055
Ochocka R, Hering A, Stefanowicz-Hajduk J, Cal K, Barańska H (2017) The effect of mangiferin on skin: Penetration, permeation and inhibition of ECM enzymes. PLoS ONE 12(7): e0181542. DOI: 10.1371/journal.pone.0181542
Rajneet Kaur Khurana, Arvind Bansal, Sarwar Beg, Andrea Julie Burrow, O.P. Katare, Kamalinder K. Singh, Bhupinder Singh (2017) Enhancing biopharmaceutical attributes of phospholipid complex-loaded nanostructured lipidic carriers of mangiferin: Systematic development, characterization and evaluation. International Journal of Pharmaceutics 518(1-2): 289-306. doi: 10.1016/j.ijpharm.2016.12.044
Miftaquljanah N (2017) Efek analgesik infusa daun Mangga (Mangifera indica L.) pada mencit yang diinduksi asam asetat. Tese Skripsi, Universitas Muhammadiyah Surakarta. Indonésia. Website
Kethia L. González, Richard Gutiérrez, Yasnay Hernández, Olga Valdés-Iglesias, María Rodriguez (2016) Determinação da capacidade antioxidante de duas espécies de ervas marinhas de acordo com o método de extracção. J Pharm Pharmacogn Res 4(5): 199-205. Website
Rajneet Khurana, Ranjot Kaur, Shikha Lohan, Kamalinder K Singh & Bhupinder Singh (2016) Mangiferin: uma bioactiva anticancerígena promissora. Analista de Patentes Farmacêuticas 5(3): 169-181. doi: 10.4155/ppa-2016-0003

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *