Mary Santpere o marido atira-se ao mar durante uma travessia de Barcelona para Mallorca

Francesc Pigrau, 74 anos, marido da actriz e comediante Mary Santpere, atira-se ao mar nas primeiras horas da manhã de ontem enquanto viajava para Mallorca a bordo do navio canguru Ciudad de Badajoz. Fontes da empresa Trasmediterrânea, proprietária do navio, apontaram a possibilidade de Pigrau ter decidido suicidar-se, uma vez que deixou uma carta manuscrita, cujo conteúdo evitaram revelar, dirigida ao capitão. A operação de salvamento, lançada imediatamente após um passageiro e um membro da tripulação que testemunhou o evento ter dado o alarme, foi suspensa ontem ao meio-dia sem resultado.

De acordo com as duas testemunhas, Pigrau atirou-se ao mar pela zona da popa do navio à 1.20 na segunda-feira, num ponto a cerca de 15 milhas (28 quilómetros, aproximadamente) do porto de Barcelona, de onde o navio tinha navegado uma hora e meia antes. Imediatamente, as duas testemunhas alertaram a ponte, de onde o capitão da Ciudad de Badajoz, Lorenzo Morata, ordenou que um bote fosse rebaixado para a água. A escuridão e o mau estado do mar – “havia ondas de um certo tamanho”, disseram os porta-vozes da Transmediterránea – dificultaram as tentativas de resgate.

“Nestas circunstâncias e mesmo com os meios apropriados – holofotes, entre outros – localizar uma cabeça na água é quase impossível”, acrescentaram eles. Após uma primeira inspecção da zona, “dado que a situação não era como andar com um barco em redor”, sublinharam as fontes informantes, as tarefas de salvamento continuaram a partir do próprio navio.

Em 4.25, “por ordem da autoridade competente”, explicou as fontes do Trani Mediterrâneo, a Ciudad de Badajoz abandonou a busca, sendo dispensada por um barco patrulha da Cruz Vermelha do Mar, com cinco tripulantes, que se deslocaram do porto de Barcelona. A busca da Cruz Vermelha durou até ao meio-dia de ontem, quando, de acordo com as autoridades da Marinha, o resgate terminou.

Assinatura com iniciais

A Ciudad de Badajoz atracou em Maiorca às 11.45 de ontem. O seu capitão relatou o que aconteceu ao Comando Marítimo das Baleares, que transferiu o caso para a Guarda Civil. Morata também entregou a carta que, segundo a Transmediterrânea, Pigrau tinha deixado na sua cabina antes de se atirar ao mar. No entanto, um passageiro de 15 anos, Xavier Cussó, afirmou nas suas declarações que a carta lhe tinha sido entregue para ser transmitida ao capitão. “Ele deu-me um envelope endereçado ao comandante com a palavra urgente”, explicou Cussó. “Enquanto eu lia o envelope”, acrescentou, “abriu uma porta que fecha a área do passageiro e foi à popa. Ali, através de um buraco usado para passar as amarras, ele escorregou para fora e quando me aproximei dele para lhe dizer para não saltar, ele atirou-se à água” O manuscrito, que era difícil de ler devido à caligrafia, foi inexplicavelmente assinado com as iniciais F.D.P., que foram identificadas como as do marido de Mary Santpere, relata Joan A. Calmari. O conteúdo da carta, na qual, aparentemente, Pigrau, que viajava sozinho, explica as razões da sua decisão, não foi divulgado nem pela companhia de navegação nem pela Guardia Civil.

p>Nenhuma das fontes consultadas ontem pôde explicar as razões da viagem de Pigrau a Maiorca. A actriz tinha declarado recentemente que o seu marido, um engenheiro de profissão, com quem tinha dois filhos, sofria de problemas de estômago e depressão grave. Um porta-voz da família confirmou ontem que Pigrau sofreu recentemente “uma profunda crise depressiva”

* Este artigo apareceu na edição impressa de 0027, 27 de Julho de 1987.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *