Terceira vaga de COVID-19

A boa auto-estima é essencial para desfrutar do sexo. No entanto, tendemos a construir este autoconceito com base no que outros nos dizem, comparações e experiências que temos tido e que terão impacto nas nossas relações.

Por que temos baixa auto-estima?

Ao construirmos a nossa auto-estima sob o olhar dos outros, acabamos por nos definir com base nela. Assim, quando alguém menciona que nos acha uma pessoa atraente que pensamos ser, mas o oposto acontece quando nos dizem que não gostam de nós.

Algo semelhante acontece quando a nossa auto-estima se baseia em comparações, por exemplo, com os cânones da beleza. Estes tendem a ser perfeitos e inalcançáveis, ao mesmo tempo que nos fazem desprezar a nossa própria beleza. Se o nosso auto-conceito se basear nisto, será muito baixo.

As experiências vividas também influenciam a nossa auto-estima. Assim, as “ofensas sexuais, rupturas traumáticas de parceiros anteriores, maus-tratos” têm um impacto no nosso autoconceito, tal como indicado pelo Conselho Geral de Faculdades Médicas (CGCOM). Isto irá impedir o gozo das relações sexuais.

Cuidado com as expectativas

As expectativas irrealistas que podem vir de uma imagem idealizada do sexo (como atingir o orgasmo ao mesmo tempo que o parceiro) podem ter um impacto na auto-estima. Pois, podem fazer-nos pensar que há algo de errado connosco quando isso não é verdade.

Também não devemos ter como modelo de referência a pornografia, por exemplo, na altura de ter relações sexuais com outras pessoas. Isto só nos gerará preocupações e uma tentativa de imitar as práticas que vimos e que, em vez de proporcionar prazer, causará insatisfação, como notou o Conselho Geral de Psicologia em Espanha (INFOCOP).

Para melhorar a auto-estima tem de ir a um psicólogo

Sair durante uma gravidez e não aceitar as mudanças que ocorreram no corpo, sentir-se inseguro devido ao aumento de peso, tudo isto tem um impacto na auto-estima e nas relações sexuais. Por conseguinte, é melhor consultar um psicólogo que nos permita aprender a aceitar o nosso corpo e sentirmo-nos confortáveis com ele para desfrutar da nossa sexualidade.

Quando o auto-conceito que temos de nós próprios já não se baseia em comparações, podemos desfrutar de sexo. Mas, não só isso. Se a baixa auto-estima estiver relacionada com problemas como a disfunção eréctil (que representa 48% das consultas de acordo com a CGCOM), a ejaculação precoce ou o vaginismo, isto pode ser resolvido com a ajuda de um profissional.

P>Talvez até vamos descobrir que alguns dos problemas que nos dificultam ter relações sexuais satisfatórias têm a sua origem na falta de auto-estima, e não o contrário.

Sexualidade é uma parte importante da vida. Por esta razão, é importante que desde tenra idade os jovens, especialmente os adolescentes, recebam uma educação sexual de qualidade. Não só para compreender a importância de trabalhar a auto-estima, mas para que possam aprender a relacionar-se de forma saudável, tanto afectiva como sexualmente, com os outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *